Empresa avalia nível econômico por meio de redes sociais

Padrão

As redes sociais estão cada vez mais presentes na sociedade. Hoje, praticamente todos possuem internet e uma conta em pelo menos um dos milhares sites de relacionamentos que podem ser encontrados na rede. E uma empresa de empréstimo de Hong Kong resolveu usar as mídias sociais para avaliar seus clientes.

Lenddo, empresa que faz isso, possui um aplicativo com um algoritmo que ela diz ser “proprietário e secreto” que avalia seus possíveis clientes por meio das redes sociais. Quando alguém solicita um empréstimo junto á empresa, ela pede as contas de Facebook, Gmail, Twitter, Yahoo e Windows Live, onde analisa o comportamento da pessoa e de seus contatos.

Dessa forma, o que você faz e com quem se relaciona na web irão influenciar na sua imagem para a empresa, o que será decisivo para que ela libere ou não o dinheiro solicitado. Um exemplo dado foi o do site britânico “The Observer”; ele conseguiu 470 pontos no sistema de avaliação do aplicativo, uma pontuação boa, mas para conseguir um empréstimo, isso não basta, é preciso que pelo menos três “amigos” do site tenham mais de 400 pontos.

No entanto, se você não pagar o empréstimo conseguido, sua pontuação, e consequentemente á de seus amigos, cairá. Além disso, se por várias vezes, você não pagar empréstimos conseguidos, o aplicativo trata de avisar seus contatos que você é um “caloteiro”, portanto nada de pedir empréstimos astronômicos! Atualmente o serviço só está disponível nas Filipinas, mas ele pode chegar em breve aos EUA.

Até que estava demorando aparecer algo assim. Li aqui no Portal

Anúncios

2011, O ano das Startup. [Infográfico]

Padrão

Lá do site IstoÉ/Dinheiro – O jargão usado para descrever as empresas iniciantes da área de tecnologia e também aquelas nem tão jovens, mas que se mantêm ágeis, inovadoras e criativas,  mesmo com o passar do tempo, é também o termo que melhor descreve o ano de 2011 para o mercado digital. Entenda a razão no infográfico:

Complexidade é desafio para o mercado empreendedor | Pensando Grande

Padrão

Complexidade é desafio para o mercado empreendedor | Pensando Grande.

Liderando a geração Abercrombie & Fitch @luiztejon

Padrão

Num voo direto de São Paulo para Tel  Aviv, após 10 horas num jato, pego o táxi e, ao prestar atenção nas ruas, já  vejo representantes da nova geração Abercrombie & Fitch. No condomínio da  minha filha, lá estão eles todos reunidos, em São Paulo.

Eles estão e são globalizados,  curtem festas do pijama, ”home parties“, amam assistir a filmes de terror,  brincam de “hora da verdade” e ficam fascinados com os musicais americanos, com  a Lady Gaga, a Rebeca Black e, uma parte deles, com o Justin Bieber.

iPad’s, celulares, blackberries,  notebooks: nem pensar em não ter. Condenam o ”bullying“ e acreditam que o  Cebolinha e a Mônica (que nos perdoe o Mauricio de Sousa), o Pica-Pau e o Chaves  são exemplos de constantes pegadinhas e incentivadores do tal do  ”bullying“. A geração Abercrombie & Fitch é  facilmente identificada pela moda, pela marca e congrega esse novo grupo que já  nasce virtual e realmente ”globalizado“. Eles vivem um mundo de Alice, em um  projeto no qual só reinam: alegria, felicidade, prazeres, conforto, comodidade,  viagens, encontros para rafting e shopping, e também apoio e suporte terapêutico  desde cedo.

Orbitam a faixa dos 12 aos 15 anos,  são bem educados como regra, olham para o mundo a partir das janelas dos seus  condomínios e do transporte de pais e mães, no leva e traz para e das suas  escolas. Os professores são rigorosamente observados pelos pais dessa geração,  que sofre de profunda dicotomia de valores, entre a luta pelo sucesso e a  riqueza versus a avaliação de um mundo que parte de 7 para 9 bilhões de seres  humanos.

Como será a liderança dessa geração  Abercrombie & Fitch? Como será nas escolas, na rua, nas drogas, na visão de  mundo, no trabalho, no comprometimento, na sustentabilidade e na  resiliência? Estamos entrando na primeira de todas as gerações verdadeiramente  globalizadas. Acesso universal à internet. Desejo de sucesso e, principalmente,  ”fama“.

Em pouquíssimos anos, eles virão  como estagiários, trainees e funcionários das empresas. Uma parte deles já pensa  em ser empreendedor e um pequeno percentual poderá vir a ser parte dos  empresários ”teen“. Não terão, como regra, dramas de moradia, recursos básicos,  pois seus zelosos pais tendem a deixar uma vida patrimonial bem mais segura do  que aquela que receberam dos seus pais e avós. E, principalmente, eles não  crescerão com parte das dificuldades que marcaram as gerações anteriores. Nem  revoluções militares, guerras ou fome de verdade.

Porém, a história humana é incerta,  caótica e imprevisível. Quando a geração Abercrombie & Fitch fica  desapontada ou se sente magoada, a reação é de indignidade e profunda revolta  com o entorno que não cede, naquilo que virou pensamento liquido e certo de  direito adquirido: sucesso, fama e felicidade, numa volúpia de sonhos  catapultados pela vontade determinante da possibilidade de conquistar tudo.

Muitos falam da geração Y, do que  eles pensam e de como querem ser tratados. Na Geração A&F, um mundo ainda  não estudado sobre a arte de liderar precisará ser desenvolvido desde já, pois o  que ocorre de verdade é que eles estão na liderança do mundo globalizado, e isso  veio numa velocidade inimaginável para os atuais filósofos e pensadores.  Imagine, então, nossas escolas, empresas, mídia, leis e instituições. Eu me  sinto liderado por eles. Essas crianças não são mais as mesmas. O mundo não será  nunca mais o mesmo. Abercrombie & Fitch é só o começo do  fetiche.

*José  Luiz Tejon é publicitário,  jornalista, autor e co-autor de 27 livros, como “O vôo do cisne”, “A grande  virada – 50 regras de ouro para dar a volta por cima” e “Luxo for all”. É  presidente da TCA Internacional, com parcerias na Europa, Estados Unidos, China  e Israel.

E se você fosse um #infográfico? via @robertotostes

Padrão

Todo mundo sabe que querendo ou não vai passar praticamente um 1/3 da vida sobre um travesseiro. E o restante do tempo, o que você tem feito com isso?
Afinal são milhares de anos de evolução da espécie desde o tempo das cavernas e temos que ter alguma responsabilidade com o planeta e a existência.
Este teste vale como um check up infográfico instantâneo dos seres urbanos que povoam nossas cidades. Considere bem o que tem feito de sua vida ultimamente e veja em qual dos perfis abaixo você se encaixa e seu respectivo diagnóstico cinematográfico:

HOMMO ERECTUS OU FEMME ENAMORABILIS
Ok, vocês tem um papel fundamental na preservação da espécie, sem contar no financiamento das escolas particulares e na indústria de fraldas e festas infantis. Mas gente, vamos maneirar um pouco nos hormônios e pensar em coisas mais existenciais ou filosóficas. Não é penso, logo tomo um susto. Invistam um pouco em seu intelecto e vejam que boas coisas podem sair disso. Que tal trocar Sex and the City por qualquer Woody Allen, mesmo que você corra o risco de virar um noivo neurótico ou noiva nervosa. Vale a pena.
HOMMO MAURICINHUS OU FEMME FASHION
Tudo é uma questão de estilo. A roupa, o visual, o cabelo, até a atitude. Vocês atuam frente a um grande espelho universal. Tudo é olhar e pose. Mais do que a moral vale a estética e o cuidado com as aparências para o evento da moda. Parado aí! Melhor se enturmar com a nova realidade e chegar junto do povão. Que tal encarar umas tarefas básicas tipo uma pia cheia de louça suja, varrer o chão ou dar uma limpada geral na casa? Relaxem, sorriam mais e aprendam a agir como pessoas. Esta é a única forma de continuar “in”. Troque o Diabo veste Prada por Vinhas da Ira e vire um cinéfilo cult. Se bobear vai ficar como Scarlet, que o vento levou.
HOMMO APRESSADUS OU FEMME CONSUMMIS
Eu quero. Este é o verbo que movimenta suas existências. Quanto mais rápido melhor, não importa o preço. Vale tudo para atender necessidades imediatas e consumir o que está bombando na mídia ou conquistar a melhor posição profissional. Hierarquia, trabalho em equipe e experiência para que? O negócio é se dar bem. Mas atenção, a casa pode cair e suas versões de Wall Street vão entrar num clima de Apocalipse Now. Então, o melhor é curtir as coisas simples da vida e fugir em um barquinho enquanto a tardinha cai.
HOMMO CONECTUS OU FEMME FACEGIRL
Sua adrenalina é feita de uma caixa de mensagens cheia, torpedos no celular e bate papos intermináveis nos chats da vida. Vocês esqueceram da vida lá fora e está difícil de desconectar. É hora de sacudir o esqueleto em busca de uma endorfina real. Troque seu Ipad, Iphone ou smartphone por um chiclete e saia correndo sem parar como Forrest Gump. É isso ou o Poderoso Chefãovai tomar conta de sua vida virtual e real.
HOMMO INVISIBILIS OU FEMME NORMALLIS
“Não sei” para você é verbo e decidir qualquer coisa é sempre complicado. Se volta e meia andam dizendo que você parece com alguém não sei quem ou terminam a relação dizendo que você é uma pessoa muito legal, a coisa tá pegando. Procure um cinema poeira para assistir Easy Rider ou Telma e Louise antes de virar um vampiro de romance bestseller. Libere logo seu lado James Dean ou Marylin Monroe escondido nos porões de sua alma.
HOMMO SENSIBILISSIMOS OU FEMME ANSIOSIS

Qualquer coisa é motivo de choro. Toda hora acham que vai ter enfarte. É emoção demais para uma simples carcaça. Haja tranqüilizante para esta montanha russa. Viver é correr perigo mas tudo tem limite. Sensibilidade demais também atrapalha. Saia do Pânico e deixe a Premonição no caminho. Escolha um bom filme de Truffaut e conheça o homem que amava as mulheres.
HOMMO CORDIALIS OU FEMME BOAZINIS
É legal vocês serem tão bacanas e dizer sim a tudo mas uma hora isso irrita também. Quando foi a última vez que você disse não de forma séria? O agente OO7 de Sean Connery sofreu pra caramba com o satânico Dr No e você não deve continuar mais vendo reprises de seriados bobos com a sensação de que as coisas vão continuar como estão. Pode começar a discordar de tudo que eu disse. Mas depois é melhor tomar um porre de filmes de Bergman para descobrir sua verdadeira persona.
HOMMO ENERGETICUS OU FEME ACADEMIS
 
Nem o Stallone na série Rocky aguenta um pique anabolizante e aeróbico desse todo dia. Vitaminas, corrida, gordura transcorporal, é demais! Chega de por alface no cérebro e de fugir das calorias inúteis. Se eu fosse você, em vez de entrar no pique daquele coelho correndo de forma paranóica é melhor entrar na onda do chapeleiro maluco e deixar Alice curtir o país das maravilhas. Melhor comprar logo um hot dog e ficar sentado à beira do caminho olhando o povo passar.
E agora?
No final das contas ninguém é normal e todos são loucos. Se após descobrir seu infográfico pessoal e ler as dicas você ainda sente um Estranho no Ninho, melhor procurar um analista, terapia alternativa ou ler mais horóscopos. A vida não é filme mas o cinema pode nos fazer sonhar mais, chorar ou rir durante algumas horas. Tudo vai acabar dando certo, de uma forma ou outra, desde que a humanidade no final não acabe chegando ao Planeta dos Macacos. Fim.
Muito bom – Roberto Tostes